CNA INICIA VISITA E ENCONTROS NA CHINA

14/05/2019

Grupo vai se reunir com investidores em Xangai e Pequim

A comitiva da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) iniciou, na segunda (13), a agenda na China com uma visita à Seesaw Coffee, empresa pioneira de cafés especiais que fica em Xangai.

A Confederação integra a missão que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) está fazendo pelo continente asiático. Na China, o foco será o mercado de proteínas e lácteos.

"Estamos com grande expectativa porque o mercado chinês é hoje o grande mercado para o agronegócio brasileiro. Amanhã visitaremos a Sial, onde vamos ter a dimensão desse mercado frente às mudanças que estão ocorrendo na China devido à peste suína africana", afirmou o diretor de Relações Internacionais da CNA, Gedeão Pereira.

A Sial é a 4ª maior feira do mundo no setor agroalimentar. O evento acontece uma vez por ano em Xangai e o foco são carnes, lácteos, comidas congeladas e bebidas. A feira recebe aproximadamente 3,2 mil exibidores e 110 mil visitantes em cada edição.

"A ministra está promovendo reuniões com investidores chineses, também teremos reuniões com o Rabobank, onde teremos uma sinalização de tudo que está acontecendo e a Sial será o grande termômetro. Esperamos ainda liberar mais frigoríficos brasileiros para as proteínas animais, seja bovina, suína ou aves", ressaltou Pereira.

Na avaliação do presidente da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), deputado Alceu Moreira, a missão está ajudando a reconstruir a imagem brasileira no continente, ao trabalhar o parlamento e o empresariado juntos, trazendo confiança aos asiáticos em relação aos produtores brasileiros. "Estamos construindo uma profunda relação que é necessária para o avanço do espaço comercial que precisamos ter na Ásia."

As exportações do agronegócio brasileiro para China somaram US$ 35,59 bilhões em 2018. A missão ao país segue até quinta (16), com visitas à indústria de papel, de insumos agrícolas, à empresa de soluções em tecnologia e à Universidade Agrícola da China, em Pequim.

Fonte: CNA